Teste à K1600 B Bagger

Moderadores: Rui Viana, pedropcoelho, amandio, JoseMorgado, MHQC

Responder
Avatar do Utilizador
JoseMorgado
Direcção BMW McP
Mensagens: 4782
Registado: 23 jan 2008 21:41
Localização: Lisboa
Contacto:

Teste à K1600 B Bagger

Mensagem por JoseMorgado » 03 dez 2017 02:49

Por cortesia da Motomil, mais uma vez tive a oportunidade de, durante um fim de semana alargado, experimentar esta nova criação da BMW.

A novíssima K1600 B Bagger.

Imagem

Utilizei-a para gerir e participar no evento do BMW MC PT,

26º Aniversário BMW MC PT - Santarém

Podem clicar para ver.

Tirando parte da roupagem exterior, tudo, ou quase tudo na K1600 B, é igual á K1600 GTL.

O motor.

Imagem

Com 1.649 c.c., distribuídos por 6 cilindros em linha transversais, apresenta 160 hp e 170 Nm de binário, 70% dos quais, disponíveis logo às 1.500 rpm.

A caixa de velocidades, com seis relações de transmissão.

Imagem

E, neste caso, com Assistente de Mudança de Velocidades Pro, Quick Shift, um extra.

Imagem

O quadro, em dupla trave de alumínio fundido, com motor autoportante.

Imagem

As suspensões, com Duolever e amortecedor central, na dianteira.

Imagem

E Paralever na traseira.

Têm um curso ligeiramente inferior ao das irmãs K1600, menos 10mm.

Os travões, com sistema Integral Parcial, e Integral ABS.

Imagem

Contam com dois discos flutuantes, de 320 mm de diâmetro e pinças fixas de quatro êmbolos, na dianteira.

E disco simples, de 320 mm de diâmetro e pinça flutuante de êmbolo duplo, na traseira.

As rodas, com 3,50 x 17" na dianteira.

Imagem

E 6,00 x 17" na traseira.

Imagem

O Cockpit.

Imagem

A tampa do local reservado para o GPS permite esta brincadeira.

Imagem

Os comandos.

Imagem

Imagem

Imagem

Com a famosa e práctica "rodela" multifunções.

Imagem

As manetes, reguláveis no afastamento.

Imagem

Imagem

Os excelentes faróis.

Imagem

Com Adaptive Xenon.

Imagem

A distância entre eixos e o ângulo da coluna de direcção, são também iguais nos dois modelos.

Os poisa pés são semelhantes aos da GTL, largos e confortáveis, estão é mais baixos.

Os do condutor.

Imagem

Os do pendura.

Imagem

O comprimento, a largura e altura da Bagger, são iguais aos da GTL.

A altura do banco e o arco interior das pernas é também igual.

Mas, as diferenças exteriores começam logo na parte frontal.

Com o vidro de protecção, eléctrico, de muito menores dimensões.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

E os espelhos, mais volumosos, com um design diferente.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Seguindo para os lados, são notadas as plataformas para colocar os pés na dianteira, com as pernas esticadas.

Imagem

Imagem

A identificação desta K1600, conta com um "B" de Bagger, na lateral.

Imagem

E no banco.

Imagem

As carenagens laterais, que protegem as pernas do condutor, têm um recorte diferente e perdem os espaços de arrumação.

Imagem

Os comandos exteriores do "Rádio" são semelhantes aos da GTL.

Imagem

Podendo o mesmo, como na GTL, ser comandado pela rodela multifunções.

Os faróis suplementares também são semelhantes.

Imagem

Imagem

Subindo um pouco, podemos ver um "estranho", e volumoso guiador, muito diferente dos que são habituais nas BMW's deste tamanho.

Imagem

Imagem

A amarração do guiador é feita ao estilo das nineT's, talvez a um nível, um pouco abaixo do de uma K1600.

Imagem

Imagem

O painel de informações é muito semelhante ao da GTL.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Com o Computador de Bordo a dar as mesmas informações sobre:

- Consumo Médio
- Consumo Instantâneo
- Autonomia
- Velocidade Média
- Temperatura Exterior
- Pressão dos Pneus
- Cronómetro
- Tempos de Viagem
- Data
- Tensão de Bordo
- Nível do Óleo
- Conta quilómetros parciais, Trip1, Trip2 e Trip Auto

Assim como as colunas do sistema sonoro.

Imagem

Está presente o mesmo engenhoso, mas eficaz, sistema de encaixe e bloqueio do GPS.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Os "pesos" estabilizadores nas pontas do guiador têm o mesmo acabamento da GTL.

Imagem

Imagem

O sistema de deflectores de ar "fresco" para o condutor, também é muito semelhante.

Imagem

Imagem

Muito diferente é toda a zona traseira.

Imagem

Imagem

Com especial destaque para as malas.

Imagem

Imagem

Banco.

Imagem

Imagem

Pegas do passageiro.

Imagem

Iluminação traseira.

Imagem

Imagem

E escapes.

Imagem

Imagem

A ausência do Top Case, que não está disponível como extra, também modifica, e muito, o "Look" da Bagger.

As malas, apesar de parecerem pequenas, têm um espaço interior muito grande, podendo, além de muitas outras coisas, albergar um capacete integral em cada uma delas.

Imagem

O sistema de tranca e abertura, é semelhante ao das malas das outras BMW Touring.

Imagem

Imagem

Como na carenagem lateral da Bagger, desapareceu o espaço para colocar, e conectar, os aparelhos electrónicos, existe agora, na mala direita, esta bolsa com a mesmo função.

Imagem

Imagem

Imagem

As malas, que são forradas interiormente de borracha têm, na sua base inferior, uma rede muito útil para que os objectos não andem espalhados e para que, com a abertura das tampas, estes não caiam para o chão.

Podem no entanto ser recolhidas para a base, para que não ocupem espaço.

Imagem

Estas malas não são facilmente removíveis.

No rebordo interior da mala esquerda, está a patilha que serve para destrancar o banco.

Imagem

Imagem

Que é único.

Imagem

E que esconde, os sistemas electrónicos, nomeadamente, a plataforma audio e bluetooth, Alpine.

Imagem

Os fusíveis, ficha de diagnóstico, bateria, e o kit básico de ferramenta, composto por uma chave de fendas/torx e uma chave torx.

Imagem

O banco tem também uma zona para colocar, em segurança, o Manual do Utilizador.

Imagem

Para ser totalmente retirado, é necessário desconectar a ficha, que alimenta o aquecimento do banco.

Imagem

Que é feito separadamente, condutor e passageiro, em dois níveis.

Imagem

Este banco não tem regulação de alturas.

Duas tomadas de corrente estavam presentes.

Uma junto do condutor.

Imagem

Outra junto do passageiro.

Imagem

Esta Bagger é muito apelativa quando está parada.

Imagem

Principalmente, quando vista pela traseira, pois ou seu estilo "Americano", é muito diferente do que estamos habituados a ver por cá.

Imagem

Imagem

Mas é a andar, que tudo o que ela tem realmente para nos oferecer, aparece.

Apesar de pesar menos 24 kg que a GTL, a Bagger é "volumosa", e até "pesada".

No entanto, logo que nos sentamos nela, tudo se modifica.

O banco do condutor, muito baixo, e bem desenhado.

Imagem

Permite o total controlo da Mota, enquanto estamos parados.

Aliado a isto, a Marcha a Trás, um dos muitos extras presentes, que se "engata" com o botão "R".

Imagem

E se aciona no botão de "arranque".

Imagem

Dá uma enorme ajuda, e um grande descanso, sempre que somos obrigados a fazer manobras de estacionamento, em espaços mais reduzidos e inclinados.

Pena é que, apesar de eléctrica, sempre que se aciona a marcha a trás, o regime do motor seja significativamente acelerado, chamando a atenção de quem está à nossa volta.

Mas esta Bagger é feita para andar, principalmente para a frente.

Assim, logo que se engata a 1ª, apesar do "solavanco" inicial, tudo é de uma suavidade impressionante.

A embraiagem, muito leve e progressiva, proporciona um inicio de marcha muito confiante.

Imagem

Claro que o baixo centro de gravidade ajuda muito mas, o que mais impressiona, é a disponibilidade deste "enorme" motor, que é grande em capacidade, mas não em tamanho, e que faz jus ao que a BMW anuncia.

75% do binário, logo disponível às 1.500 rpm.

Imagem

Longe vai o tempo dos primeiros K1600 da BMW.

É assim possível andar a baixa velocidade, na cidade e no meio do transito, com grande desenvoltura e à vontade, sem sermos obrigados a trocar de relação de caixa com frequência.

O Quick Shift ajuda muito, pois trata de tudo com rapidez, eficiência e suavidade.

Apesar do "tamanho", e do "peso" da Bagger, parece que estamos a conduzir uma mota muito mais pequena.

Por defeito, selecionei logo o "Modo" de condução Dynamique, que permite uma resposta muito enérgica do motor, a qualquer movimento do acelerador.

Imagem

Existem também os modos Rain e Road mas, como não andei à chuva, este foi o que me satisfez mais.

Quanto aos modos de amortecimento, estão disponíveis o Cruise, mais suave, e o Road, mais seco.

Na cidade, comecei por usar o Cruise, para ultrapassar melhor, as muitas irregularidades do piso de algumas zonas de Lisboa.

Imagem

No entanto, logo que entrei numa via rápida, foi indispensável passar para o modo Road pois, de outra forma, a condução, principalmente em curva, torna-se algo incerta.

As grandes massas em movimento, e a suavidade das suspensões, nunca se deram muito bem.

Neste contexto, a Bagger começa a revelar as grandes qualidades que herdou da GTL.

O conforto e a eficácia das suspensões, permitem um desempenho muito rápido e seguro, à medida que a estrada vai passando a grande velocidade.

Até a protecção aerodinâmica é muito boa, apesar da pequenez do vidro de protecção.

Para este facto, contribui certamente a posição muito baixa em que o condutor está instalado.

Quase que chegamos a pensar, vidros maiores para quê?

Neste tipo de vias, e nas autoestradas, é possível atingir num ápice velocidades muito elevadas, sem qualquer turbulência, quer na dianteira, quer na traseira, com a Bagger a seguir sobre "carris", a trajectória escolhida.

O vidro mais pequeno, e a ausência de Top Case, notam-se bem.

É também possível encontrar uma posição de condução descontraída e confortável, com a possibilidade de colocar os pés nas plataformas dianteiras e assim esticar as pernas, mantendo uma boa protecção aerodinâmica.

Melhor, só se fosse possível "afinar" o posicionamento do guiador para que, em função do posicionamento do tronco do condutor, a inclinação do mesmo se mantivesse constante.

Imagem

Felizmente, nos percursos que realizei à volta de Santarém, durante o fim de semana do 26º Aniversário do BMW MC PT, também tive a oportunidade de experimentar a Bagger em muitas estradas nacionais, algumas sinuosas.

Nesse ambiente, é com enorme satisfação que tudo se desenrola.

Primeiro, a resposta do motor, sempre muito "cheia" e "redonda", permitindo andar, quase sempre em 6ª, desde as mais baixas velocidades.

Responde vivamente, e sempre sem qualquer hesitação, a qualquer pequeno movimento do punho direito.

A suavidade, e a vivacidade, são as características mais evidentes deste 6 cilindros em linha, cheio de binário, a todas as rotações.

Depois, a caixa de velocidades, com Assistência Pro, Quik Shift, e com uma embraiagem muito suave, que só é necessária para arranca e parar.

Esta Assistência Pro é duma eficiência a toda a prova, quer a subir, quer a descer de relação, em baixas e em altas rotações do motor.

Esta trilogia, com uma caixa de 6 relações bem escalonadas, uma embraiagem multidisco em banho de óleo muito suave e a Assistência Pro na mudança de relações, permite uma enorme rapidez, eficácia, segurança e conforto, nos percursos sinuosos.

A mudança de relação de caixa, apesar de não ser necessária com muita frequência, é sempre muito fácil de operar, sem causar qualquer descompensação dinâmica, no conjunto e na trajectória.

Muito importante é também a qualidade da travagem, Integral Parcial, onde a manete actua no travão dianteiro e traseiro e o pedal só no traseiro, com Integral ABS que, para além do anti-bloqueio, também distribui a força de travagem, entre o eixo dianteiro e traseiro, permitindo que, apesar da grande massa da Bagger, a travagem seja muito potente, mas muito doseável e bem repartida, conseguindo desacelerações muito fortes, sempre seguras e consistentes.

A suspensão, que não afunda, mesmo em travagens muito fortes, também mantêm tudo sobre controlo.

À entrada, durante, e à saída das curvas, nunca há necessidade de manobras e pensamentos correctivos, a qualquer reacção intempestiva, pois tudo acontece de forma previsível, sem surpresas.

Nas curvas, quando "abusava" um bocadinho, a grande preocupação era somente a necessidade de levantar as biqueiras das botas, para que estas não batessem no solo.

Como os poisa pés do condutor estão posicionados mais perto do solo do que na GTL, com alguns abusos, é fácil chegar com eles, e com as biqueiras das botas, ao chão.

Apesar de o conceito "Bagger" ser associado a longas estradas, com poucas curvas, as qualidades dinâmicas desta BMW permitem fazer, com naturalidade, muitas curvas, a ritmo muito elevado, sendo só necessário ter cuidado com a pouca distância dos poisa pés do condutor ao solo.

À saída das curvas, o controlo de tracção permite optimizar a enérgica resposta do motor, sendo uma verdadeira delicia sentir o poder de aceleração da Bagger.

É assim sempre com muita pena que chegamos ao fim dos nossos percursos, pois temos sempre vontade de continuar a fazer km's, aos comandos desta fantástica BMW.

O modelo experimentado tinha também o extra de assistência ao arranque nas subidas, Hill Start Control, muito útil numa mota pesada como é a Bagger.

Também estavam disponíveis os recursos multimédia, como o rádio.

Imagem

As ligações por bluetooth.

E por cabo, aos aparelhos pessoais e capacetes.

Imagem

De vez em quando, vai ser necessário colocar gasolina no depósito, com capacidade para 26,5 l, exactamente igual à da GTL.

Imagem

Durante este fim de semana, fiz 454,1 km, nem sempre a ritmos muito "calmos" e "recomendáveis, com uma média de consumo de 6,4 l.

Imagem

O que não é mau.

Esta mota tinha o extra Keyless que, com um comando, tranca e destranca as malas e o bocal do depósito.

Imagem

E que, quando está próximo da Mota, autoriza o arranque do motor, por acção no respectivo botão.

Imagem

Que também serve para trancar a direcção.

Igualmente, estava presente a tranca centralizada das mesmas fechaduras, comandada pelo botão no punho direito.

Imagem

No mesmo local está também o comando dos Modos de Condução, Rain, Road e Dynamic.

Para abrir o depósito de combustível, é sempre necessário desligar a mota pois, mesmo que tudo esteja destrancado, com a ignição ligada, nunca é possível abrir o bocal.

A operação de colocar combustível na Bagger não é das mais fáceis.

O guiador, que esteticamente não é muito consensual, neste particular, também não ajuda.

Imagem

A sua barra transversal fica quase que na vertical do bocal do depósito, impedindo uma fácil colocação da agulheta da bomba de combustível.

Imagem

Imagem

Este é o único "defeito" da K1600 Bagger, pois a "queixa", que existia nas K1600, que era a inexistência de marcha a trás, ficou resolvida no final de 2016.

Seria interessante a BMW rectificar o desenho do guiador.

Para além de pouco "consensual" esteticamente, cria dificuldades no abastecimento.

Como já referi atrás, bom mesmo era ter uma afinação de amplitude, para permitir colocar os pés na dianteira, e o corpo para trás, mantendo o tronco na vertical.

No meio de todos estes percursos, em Escaroupim, ainda consegui fazer uns km's numa estrada de terra batida onde, apesar das limitações dos pneus, das suspensões, e do peso, a Bagger, com um centro de gravidade muito baixo, se portou muito bem, ao nível das GS(A)'s que a acompanhavam.

Concluindo.

A Bagger, mantendo todas as características e qualidades da K1600 GTL, acrescenta um visual muito distinto, e apelativo, para quem gosta.

Imagem

Imagem

Com um centro de gravidade muito baixo, uma altura do banco do condutor também muito baixa e menos 24 kg que a GTL, o controlo desta Mota, quando parada, fica facilitado.

Para tiradas mais longas, acrescenta a descontração da posição de condução "Chopper", ainda que todas as dimensões, geometria, estrutura e mecânica da Bagger se mantenham iguais à da GTL.

Acrescenta também, a ausência de turbulências a altas velocidades.

A única diferença, é a menor altura dos poisa pés do condutor ao solo, o que limita os abusos, nos ângulos de abordagem às curvas.

Imagem

Foi uma experiência muito enriquecedora, andar uns quantos dias com a K1600 B Bagger.

Só me resta agradecer à Motomil, a excelente oportunidade que me proporcionou.

Imagem
José Morgado
Sócio 237

R65 78
R100R 92
R1100RS 94
R1200RT 07
R90S 74
Imagem

Avatar do Utilizador
josecunha
Membro Veterano
Mensagens: 6068
Registado: 31 mai 2006 13:24
Localização: Algures em Nenhures
Contacto:

Re: Teste à K1600 B Bagger

Mensagem por josecunha » 04 dez 2017 11:53

Esta mota já merecia uma caixa de dupla embraiagem, a BMW está a dormir neste capítulo e a Honda vai rindo da coisa.
JCunha
Sócio n.º 55

luiz silva
Membro Experiente
Mensagens: 1356
Registado: 22 abr 2014 19:10
Contacto:

Re: Teste à K1600 B Bagger

Mensagem por luiz silva » 04 dez 2017 14:41

É um pouco "estranha"...será que terá mercado na Europa??

Nos Estados Unidos até acho que sim...os americanos compram de tudo!!

Belíssima reportagem, José Morgado!!

Abçs
Luiz

Avatar do Utilizador
amandio
Membro Veterano
Mensagens: 6129
Registado: 21 abr 2008 12:05
Localização: Oslo, Norway
Contacto:

Re: Teste à K1600 B Bagger

Mensagem por amandio » 07 dez 2017 10:45

Mais uma fantástica reportagem, como já nos habituaste :D
Amândio de Aveiro
(da Madeira, que já esteve em Oeiras e agora em Oslo)
R1150 GS [2002-2013]

Responder

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante